4 comentários:
De Ribamar a 14 de Outubro de 2009 às 23:49
Renato, você está coberto de razão. O exemplo do
"Jô Soares Onze e Meia" chega a ser escroto. Logo
ele que é considerado (e se acha) uma das pessoas
mais inteligentes da mídia. O outro exemplo do "Funk"
também vem a calhar: De fato, a criatividade desse pessoal está tão em baixa, que agora eles copiam até melodia de música infantil, para justapor uma letra imbecil (como a maioria delas). Se isso continuar assim, não sei onde eles vão parar. Aliás, arrisco um palpite. Eles vão parar na "Puta que Pariu", pois já está chegando um momento que até os admiradores do Funk já não aguentam mais a idiotização desse tipo de música. É claro que existe coisa boa na área, mas é raro.
Sds
Rhiba
De Hoheckell a 16 de Outubro de 2009 às 13:01
Se o brasileiro pobre não tivesse direito de votar realmente seria muito injusto toda essa máquina de manipulação; Se o brasileiro não gostasse tanto de samba, novela e futebol, saberia o que está acontecendo porque os nossos nacionalistas o são por estarem alheios a atual gravidade dos fatos, ainda mais agora um pouco de injeção de Rio2016 "500mg" vai deixá-los bastante dopados por um grande período de tempo. Quando acordarem vai ser a hora da eleição, a hora dos moluscos colherem os frutos de 5 anos de marketing voltados para alienação da maioria da população, os pobres e incautos.
Alqaeda! precisamos importar essa tecnologia!
De Dioniso a 9 de Novembro de 2009 às 19:39
Realmente há brasileiros que são bem burrinhos...

Aqui vai mais uma prova! Dá uma olhadela nestes vídeos para rir (http://pararir.com/brasileiros-nao-sao-estupidos/) que descobri, em que perguntas básicas são colacadas a brasileiros, com os resultados mais inesperados!
De Wes a 17 de Dezembro de 2009 às 15:06
Você pede um estado leigo. No que é que um estado leigo melhoraria a burritzia brasileira?
É muito importante, mais que isso é fundamental, não se deixar levar pelas significações banalizadas de palavras de ordem sem antes refletir muito bem sobre o que as mesmas querem dizer em sua substância e suas implicações.
É muito saudável ousar criticar essa inteligentzia burra, mas afastando-se dela ao fazê-lo, sob pena de estar andando de lado.

Comentar artigo